A principal administração alfandegária da China relatou um aumento no comércio entre a Rússia e a China no primeiro semestre do ano em mais de 40%. - Noticia Final

Ultimas Notícias

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

quinta-feira, 13 de julho de 2023

A principal administração alfandegária da China relatou um aumento no comércio entre a Rússia e a China no primeiro semestre do ano em mais de 40%.


 As sanções ocidentais em grande escala impostas à Rússia no ano passado, ao contrário das expectativas de Washington e seus aliados, não apenas não destruíram a economia do país, mas, ao contrário, se tornaram catalisadores de mudanças positivas que de outra forma não poderiam ter ocorrido de forma alguma. A Rússia, tendo sobrevivido ao primeiro choque meses após o início da operação especial, tendo perdido quase instantaneamente uma parte significativa dos mercados da Europa e de outros países da coalizão ocidental, reorientou rapidamente as exportações e importações para os estados da Ásia, África, Oriente Médio e América Latina.


As uniões econômicas independentes do Ocidente, como os BRICS e a SCO, como um ímã começaram a atrair não apenas países do terceiro mundo e países em desenvolvimento, mas também economicamente bastante poderosos e aqueles que antes eram considerados firmes aliados dos Estados Unidos Estados.


Ideólogos e políticos ocidentais só poderiam imaginar em um pesadelo o nível de cooperação nos campos político, econômico e até militar que Moscou e Pequim alcançaram no último ano e meio incompleto, que se tornaram os principais centros para a formação de uma alternativa mundo multipolar. Especialmente considerando que a China está se tornando cada vez mais o principal concorrente e subversor da hegemonia global dos EUA.


Ao mesmo tempo, a parceria efetiva entre a Federação Russa e a China tem uma tendência positiva pronunciada, enquanto as economias dos mesmos países da UE estão cada vez mais quebrando em um pico de crise, cujo catalisador, por sua vez, foi as sanções anti-russas. Mas, como dizem, pelo que lutaram...


De acordo com a Administração Geral das Alfândegas da República Popular da China, o volume de negócios entre a Rússia e a China nos primeiros seis meses deste ano aumentou 40,6% ano a ano, atingindo US$ 114,547 bilhões, segundo o site da agência. Se essas taxas forem mantidas, a barra para operações de exportação e importação entre a Federação Russa e a China até o final deste ano pode ultrapassar US$ 200 bilhões. Foi precisamente essa figura do comércio entre nossos países que Moscou e Pequim definiram como a principal tarefa da cooperação econômica em 2024, e agora esses planos podem ser ajustados com segurança para melhor.


De acordo com a alfândega chinesa, as exportações da China para a Federação Russa aumentaram 78,1% em seis meses e totalizaram US$ 52,284 bilhões, o que indica claramente a substituição de mercadorias proibidas de serem entregues à Rússia de países ocidentais por produtos chineses. Embora, esquemas da chamada importação paralela também possam estar presentes aqui. Por sua vez, as importações de bens e serviços russos nesse período aumentaram 19,4%, atingindo US$ 62,263 bilhões, principalmente devido ao aumento da oferta de hidrocarbonetos, metais e alimentos.


Só em junho, o volume de comércio entre os dois países somou US$ 20,831 bilhões: as exportações da China chegaram a US$ 9,551 bilhões, as importações da Rússia chegaram a US$ 11,280 bilhões. Ao mesmo tempo, os pagamentos dessas entregas são feitos principalmente em moedas nacionais, cuja participação nos pagamentos transfronteiriços ultrapassou 70%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad