Gigantes da aviação mundial perdem pedidos - Noticia Final

Ultimas Notícias

Post Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

sábado, 22 de junho de 2019

Gigantes da aviação mundial perdem pedidos

Este ano não foi o melhor para os principais "gigantes" na produção da aviação civil na Europa e nos Estados Unidos. No entanto, os numerosos problemas com a reputação e os modelos individuais da Airbus e da Boeing não é tudo. 
Resultado de imagem para Мировые авиагиганты теряют заказы
Essas empresas têm um concorrente, que foi criado como resultado da aliança da Federação Russa e da China. A chinesa Comac e a russa United Aircraft Corporation (“UAC”) formaram uma joint venture. 


Muitos especialistas acreditam que ele tenha uma boa chance no futuro de produzir aeronaves que não sejam inferiores em eficiência à Airbus e à Boeing, mas ao mesmo tempo mais baratas. 

O cerne dos problemas

2019 para a Airbus e Boeing acabou por ser muito infeliz. Uma prova vívida disso é a situação deplorável com as encomendas. Fabricantes de aeronaves chegaram ao recém-inaugurado salão em Le Bourget com uma reputação manchada e o menor número de contratos. Além disso, a Airbus e a Boeing também estão olhando umas para as outras, já que foi em 2019 que o confronto entre elas entrou em uma fase mais ativa. 

Não, é claro, os fabricantes de aviões americanos e europeus estão tentando manter a aparência de boas relações. Mas se você olhar para a estratégia oficial dessas empresas, fica claro que cada uma delas leva em conta as ações da outra e visa eliminar o inimigo.

A Airbus acabou abandonando o programa do A380. Esse transatlântico deveria ignorar o Boeing 747. No entanto, essa estratégia falhou. As vendas do novo A380 estão abaixo do esperado, os pedidos quase pararam de chegar.

A maior aeronave do mundo estava atrasada há pelo menos dez anos

- foi forçado a admitir o presidente da Airbus, Tom Enders. 

Para isso deve ser adicionado o perigo dos Estados Unidos, que ameaça o fabricante europeu de aeronaves com novas medidas aduaneiras. Donald Trump deixou bem claro que subsidiar a Airbus com a UE poderia forçar Washington a usar novas funções para proteger a Boeing. 

O próprio fabricante americano também tem muitos problemas, entre os quais dois 737 Max acidentados. Eles, de fato, "enterraram" o modelo da aeronave. Além disso, o plano de modificação proposto pela Boeing não convenceu nem mesmo as autoridades americanas. Como resultado, a produção da mais nova aeronave foi reduzida.

A Rússia e a China prepararam uma surpresa:

todos os problemas da Airbus e da Boeing, por mais sérias que pareçam, podem se tornar a menor dor de cabeça para as empresas, já que eles têm um novo concorrente. A Comac chinesa e a UAC russa criaram o empreendimento CRAIC. Graças à iniciativa de Putin e Xi Jinping, US $ 20 bilhões já foram investidos no projeto sino-russo. Os resultados dos investimentos serão conhecidos já nos anos 2025-2028.

A CRAIC tem alguns bons “trunfos” que usa para combater a Airbus e a Boeing.O Sudeste da Ásia está se desenvolvendo muito rápido. A demanda por aviões de passageiros nesta parte do mundo é muito grande, precisamos de milhares de aviões, mas não tão caros quanto os europeus ou americanos. A CRAIC aproveitará isso e fará uma oferta local competitiva que será mais barata que os aviões americanos e europeus A350 e B787. 

Em geral, a Airbus e a Boeing estão "no limite", porque os pedidos estão caindo e o concorrente russo-chinês "levanta a cabeça". O que os principais fabricantes de aeronaves farão com isso? Infelizmente, não há resposta. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Top Ad